Mundo novo

 

Nós somos economia

Correm nas veias acções

Variamos no dia a dia

Em função das cotações

 

É este o mundo novo

Fruto doutras concepções

Desprezando todo o povo

Acarinhando os cifrões

 

Deus dinheiro adorado

O espírito desprezou

Por isso foi crucificado

 

Mas quando ressuscitou

Voltou logo ao mercado

Que de novo o aclamou.

publicado por poetazarolho às 16:07 | link do post | comentar