Estados

Estados.jpg

 Vão levando a paciência

Devagar, devagarinho

Proporcionam a demência

Sempre com muito jeitinho

 

Usam tod’a complacência

Com o pobre coitadinho

Pois sabem da indecência

Ao trilhar-lhe o caminho

 

São o estado providência

Cada vez mais previdente

Ao cuidar do seu umbigo

 

Não lhe pesa na consciência

O estado da pobre gente

A quem impõem castigo.

publicado por poetazarolho às 23:18 | link do post