Fado austeridade

 

Angela à terra descia

Esta terra ingovernável

Em visita de cortesia

Que cortesia é saudável

 

Saudamos o teu gesto

Nós povo desta nação

Com futuro indigesto

Sem ter conduto no pão

 

Nesta terra da saudade

Onde a dívida é lei

Aonde a lei é fado

 

O fado é austeridade

E austeridade bem sei

Deixa o povo esfaimado.

publicado por poetazarolho às 22:48 | link do post | comentar