Longa crise

 

 Vem de longe a crise

Já remonta à criação

Do animal que ajuíze

Poder matar um irmão

 

E usar em seu proveito

O suor da humanidade

Não respeitar preceito

A não ser o da vaidade

 

E o poder da ostentação

Que o poder deve ocultar

Mas oculto atinge o fim

 

Onde meio é justificação

Pr’a deixar viver ou matar

Por isso estamos assim.

publicado por poetazarolho às 21:44 | link do post | comentar