País ensarilhado

 

O nosso país vai parar

Se é que não estava parado

Fiz um esforço p’ra lembrar

Quando é que teria andado

 

Lembrei-me de o ver andar

Mas para trás ou de lado

E nunca para reconfortar

Um cidadão desesperado

 

Uma pátria que não cuida

Não merece ser cuidada

Não merece tanto filho

 

E sem uma receita fluida

Vai mesmo ficar parada

À mercê de qualquer sarilho.

publicado por poetazarolho às 20:56 | link do post