Cantoneiros

 

Quando eu era pequenote

Estradas eram remendadas

Depois veio um fartote

E centenas de auto-estradas

 

Agora para meu espanto

Ao circular no meu carrão

Estradas estão num pranto

Nem lhes deitam alcatrão

 

Mas já vejo umas brigadas

Com algum equipamento

A remendar uns bueiros

 

No meu tempo com enxadas

E muito do seu sofrimento

Creio que eram cantoneiros.

publicado por poetazarolho às 22:53 | link do post