Sociedade nossa

 

Sociedade em que vivemos

É a sociedade que criamos

É aquela em que morremos

Em que os cifrões adoramos

 

Venha a nós o vosso dinheiro

Que estou muito necessitado

Por esse deus sou o primeiro

A colocar o amor de lado

 

Na sociedade sem amor

Tudo funciona sem defeito

Não há pinga de ansiedade

 

És um número e vou supor

Que andas muito satisfeito

Três vivas à nossa sociedade.

publicado por poetazarolho às 22:47 | link do post