Austeridades carnavalescas


Acabou-se o carnaval
E eu até não acho mal
Não havia pão afinal
E tu como um mortal

Austeridade espiritual
Praticavas como ritual
Agora é comportamental
E a seguir conventual

Abrigas-te no convento
Sob a forma de oração
Dás voz ao teu lamento

O espírito não quer pão
Fica barato o sustento
Mais caro é ser folião.
publicado por poetazarolho às 13:06 | link do post | comentar