Fecundados

 

Um espelho quebrado

Traz sete anos de azar

Enquanto o povo roubado

São vinte anos a penar

 

Foi ministro quem o diz

Que a via agora é estreita

Quando governou não quis

Aplicar melhor receita

 

Somos um povo azarado

Sem responsável conhecido

Por este estado da nação

 

Como um filho abandonado

Ou de pai desconhecido

Só se conhece a fecundação.

publicado por poetazarolho às 21:14 | link do post | comentar