As facturas do coelho

 

As facturas do coelho

Não pararam de entrar

As finanças sem trambelho

Não souberam justificar

 

Dez mil de cabeleireiro

Doze mil do automóvel

Nove mil do chapeleiro

Deixaram o fiscal imóvel

 

Com o síndroma da factura

As contas saíram furadas

A recessão acelerou

 

Numa espiral que perdura

Teve efeito de enxurradas

E o nosso país arrasou.

publicado por poetazarolho às 17:38 | link do post | comentar | ver comentários (1)