Escravidão brutal

 

Na sociedade do brutal

O homem é o animal

Sem consciência afinal

Do seu destino fatal

 

Não passa dum numeral

Ou um facto percentual

Para estragar o arraial

Montado pelo capital

 

O homem é empecilho

Se acaso se põe a pensar

Não passa dum sarilho

 

Duma enorme proporção

Vamos ter que o domar

Sujeitá-lo à escravidão.

publicado por poetazarolho às 18:06 | link do post | comentar | ver comentários (7)