Filhos do povo

 

Tod’os poderes instalados

Na nossa santa terrinha

Deviam ser julgados

Com imensa pena minha

 

Por tod’os danos causados

Ao povo donde provêem

E de seguida condenados

P’lo que não tinham, mas têm

 

À custa do povo defraudar

Que só agora descobriu

Deu tud’o que tinha p’ra dar

 

A estes filhos que pariu

Nos quais havia de confiar

Com o resultado que se viu.

publicado por poetazarolho às 21:06 | link do post | comentar | ver comentários (1)