Fé na austeridade

 

Nível do mar está a subir

O dos impostos também

A seguir pensam diluir

Férias vão, Natal não vem

 

Mas há fé na austeridade

E o governo todo acredita

Na receita da insanidade

Que a todos nós debita

 

Faz lembrar tempos idos

Não sei se amordaçados

Mas igualmente desvalidos

 

Vamos morrer endividados

Em alternativa diluídos

Ou quem sabe afogados.

publicado por poetazarolho às 23:26 | link do post | comentar | ver comentários (1)