Guerra actual

 

Somos o povo de Deus

Investidos de maldade

Perseguimos os Judeus

Matamos sem piedade

 

Deus não serve p’ra ilibar

Crimes contr’a humanidade

Ainda havemos de matar

A nossa própria vontade

 

Foram-se sessenta milhões

Naquela indústria da morte

A segunda guerra mundial

 

Hoje não há contabilizações

Mas não prevejo melhor sorte

P’rós milhões da guerra actual.

publicado por poetazarolho às 23:38 | link do post | comentar