Sonho de Portugal


Andam ávidos por dinheiro
O que não é nada de novo
Havia onde sacar primeiro
Mas andam a sacar ao povo

Povo que pagas, não bufes
A tua alegria não tem preço
Toca os ferrinhos e adufes
Qu’ist’inda é só o começo

Outros dias virão depois
Vais voltar pr’agricultura
Na sua forma mais artesanal

Dão-te uma junta de bois
Realizas farta a semeadura
O sonho deste teu Portugal.
publicado por poetazarolho às 15:34 | link do post | comentar | ver comentários (1)