Produto interno turvo


Produto interno bruto
É bruto por natureza
Se não aumenta o produto
Afogamo-nos em despesa

Quem gasta sem produzir
Um dia vai-se afundar
Melhores dias hão-de vir?
Eu não o posso afirmar

Mas a alguém ouvi dizer
Que daqui por vinte anos
Vamos estar para as curvas

E há quem consiga antever
Os navegadores lusitanos
A navegar em águas turvas.
publicado por poetazarolho às 15:18 | link do post | comentar | ver comentários (1)