São brisas


Vem do Atlântico a brisa
Que vai dar-nos de comer
Que faz as plantas crescer
O nosso Presidente frisa

Sem dúvida sabias palavras
Palavras leva-as o vento
São novas a cada momento
Por isso nos enganavas

Quando ainda governavas
E com milhões nos regavas
Para acabar com a produção

Por ser essa a imposição
De uma Europa renovada
E qu’afinal não valia nada.
publicado por poetazarolho às 16:01 | link do post | comentar | ver comentários (2)