Sábado, 31.12.11

Treze passas


Numa meia-noite sem sorte
Doze passas não vão chegar
Que mais uma te reconforte
Pois chegou o ano do azar

Depois das passas comer
Há que o desejo formular
Não iremos o ano esquecer
Que a ferrete nos vai marcar

Entre a balbúrdia e repressão
Dirigida por mentes devassas
Tem oscilado a nobre nação

Da opulência e das desgraças
Qual sinusóide em evolução
Engole lá essas treze passas.
publicado por poetazarolho às 15:57 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Sexta-feira, 30.12.11

Pobre mundo


Eles sabem e não sonham
Finança comanda a vida
A esta lei não se oponham
Que está por oiro protegida

E quem tem oiro faz a lei
Esta é uma lei muito antiga
Há uma outra eu bem sei
Mas não passa duma cantiga

Diz o mundo pula e avança
Entre as mãos duma criança
Não é mais que uma mentira

O mundo entra na dança
Pelas mãos da alta finança
Só em torno do dinheiro gira.
publicado por poetazarolho às 14:55 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 29.12.11

Presidente filósofo


Twilight é a zona
Onde vamos entrar
A nosso favor abona
O saber desenrascar

Se vamos levar na mona
A culpa é do Gaspar
Se o Estado nos abandona
Não temos pr’a esbanjar

Já tomei uma decisão
Vou para Paris estudar
Uma alta filosofia

Se voltarei ou não
É tabu por desvendar
Talvez Presidente um dia.
publicado por poetazarolho às 14:10 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quarta-feira, 28.12.11

Mapa do inferno


Chineses com capital
Comunistas sem ideal
Capitalistas enquanto tal
Estão comprar Portugal

Qual será a ideologia ?
A única que se conhecia
Que é ser rei por um dia
Que é manter a dinastia

Que é conservar o poder
Criar o inferno de Dante
Onde já nada germina

Onde tudo pode acontecer
Onde se tritura o semelhante
Onde a esperança termina.
publicado por poetazarolho às 15:46 | link do post | comentar
Terça-feira, 27.12.11

Portugueses


Frases soltas quem diria
Que o meu país um dia
As gorduras eliminaria
Mas a gente não sabia

Que o subsídio se incluía
Que o feriado acabaria
Que depois se despediria
Nuvem negra desceria

E todo o país cobriria
Que cada um de nós seria
Um produto de exportação

Sem haver a explicação
Que a tal gordura atroz
Afinal éramos todos nós.
publicado por poetazarolho às 16:06 | link do post | comentar
Segunda-feira, 26.12.11

Infelicidade suprema


Das coisas sabe o preço
Mas nunca o seu valor
Nunca manifestou apreço
Sempre comprou o amor

Para mal dos seus pecados
Vai-se logo confessar
Vê os pecados expiados
Pr’a logo voltar a pecar

Compra toda a felicidade
Que o dinheiro pode comprar
Tem tudo o que sempre quis

Vive com grande ansiedade
Porque não consegue amar
E por nunca se sentir feliz.
publicado por poetazarolho às 13:14 | link do post | comentar
Domingo, 25.12.11

Feliz Natal Portugal


Hoje ao país vou falar
É a mensagem de Natal
Façam favor de escutar
Gentes do meu Portugal

O que tenho pr’a dizer
Não é aquilo que direi
Gentes fiquem a saber
Que nunca vos enganei

A verdade não será dita
Pois seria muito cruel
A mentira também não

Prefiro manter-me fiel
Ao discurso por omissão
Em breve sentirão na pele.
publicado por poetazarolho às 11:03 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Sexta-feira, 23.12.11

Adamastor


O Cabo da Boa Esperança
Conseguimos um dia alcançar
Cabo das Tormentas avança
Será pr’a nos atormentar

À espreita está o Adamastor
Pr’a toda a esperança afundar
Com seu aspecto assustador
Nenhum de nós vai poupar

Por fim surgem as sereias
Com a doçura do seu cantar
Ao abismo nos vão atrair

Última esperança é Eneias
E Afrodite para nos salvar
Se Aquiles não nos trair.
publicado por poetazarolho às 16:53 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quinta-feira, 22.12.11

Pira-te


Não nos podem desiludir
Os políticos portugueses
Só nos conseguem iludir
Como fazem todas as vezes

Não são minhas as palavras
São do nosso presidente
Mas então o que esperavas
Ao teres que aturar esta gente

Pira-te para o estrangeiro
Há portugueses em excesso
Uma agência vamos criar

Que o cidadão está primeiro
Só queremos o teu progresso
E tudo faremos para te ajudar.
publicado por poetazarolho às 14:25 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Terça-feira, 20.12.11

Não roubarás


Já sabes o estado mata
Toma com moderação
Foge antes que te abata
Ou morres do coração

Já sabes não é universal
Qualquer direito à vida
Não é declaração cordial
É a esperança dissolvida

Tu és mero contribuinte
Para esta triste realidade
Em breve serás um pedinte

A deambular pela cidade
Ou viverás no alto requinte
De quem conduz a sociedade.
publicado por poetazarolho às 15:31 | link do post | comentar

Favorito

mais sobre mim

posts recentes

últ. comentários

Posts mais comentados

arquivos

Dezembro 2011

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
16
17
21
24

subscrever feeds

blogs SAPO