Crise dourada


Afinal é inadequado
Fim da crise apregoar
Vão apregoar no mercado
“Vivinha da costa a saltar”

Essa crise é pr’a esquecer
Assim como o colesterol
Agora temos que padecer
Pr’a depois gozar o sol

Mas já por aí apregoam
Fim da Europa é a implosão
Mas com tanto apregoar

Temo que as vozes lhes doam
Devemos é criar novo pregão
“Crise dourada, venham comprar”.
publicado por poetazarolho às 14:46 | link do post | comentar | ver comentários (1)