Telegrama


Estamos em crise, ponto
Estado esbanja, vírgula
Imposto financia, pronto
O eterno pecado da gula

Emagreçam, exclamação
Ou rebentamos, ponto final
Haverá safa, interrogação
Safam-se uns bem, outros mal

Esforço igual? Não, não, não
Que isso não seria saudável
O esforço não é equiparável

É certo, ricos não pagarão
Paguem os pobres, coitados
São muito e estão habituados.
publicado por poetazarolho às 08:32 | link do post | comentar