Ergue-te Zé


Ai coitadinho do Zé Povinho
Jaz quase morto, esticadinho
Nas vielas dum triste caminho
Ergue-te Zé, não sejas tolinho

Anda aqui beber um copinho
Este brota directo do jarrinho
Vai do branco ou do tintinho?
Qualquer um te faz rosadinho

Quanto estiveres bem regadinho
Faz-lhes aquele gesto perfeitinho
Irão perceber num instantinho

Que o nosso manguito é potente
Pensarão duas vezes certamente
Antes que se metam com a gente.
publicado por poetazarolho às 07:53 | link do post | comentar