Quando os lóbis uivam

 

Um estado melhor

Pois pior não pode ser

Mas seja lá o que fôr

É preciso empobrecer

 

Quando os lóbis uivam

O país cai de joelhos

Há horizontes que turvam

Roubam-se novos e velhos

 

Aos velhos são os tostões

Aos novos é a esperança

Este é o nosso guião

 

Num tempo sem ilusões

É necessária perseverança

Pr’a dizer este futuro não.

publicado por poetazarolho às 23:37 | link do post