Não sorrirás

 

Aqui vai a gargalhada

Há muito não se ouvia

Está um pouco abafada

Por escassear a alegria

 

Qu’a malta anestesiada

É facto não se contagia

Mas vai sendo minada

Pela estranha letargia

 

Que corrói a esperança

E o sentir mais profundo

Qu’a gargalhada traduz

 

E assim a alta finança

Toma conta deste mundo

Onde sorrir não seduz.

publicado por poetazarolho às 22:52 | link do post