Fantoches

 

A vã glória de mandar

A soldo do deus dinheiro

Pôs alguém a rastejar

Neste imenso lameiro

 

Desfez-se da dignidade

O carácter assassinou

Insuflou-se em vaidade

Num fantoche se tornou

 

Mas se a vida é encenação

Digam ao dono do cenário

Sem medo de assombração

 

Eu serei correlegionário

O meu preço é um milhão

Mais um milhão de salário.

publicado por poetazarolho às 22:42 | link do post | comentar