Votação

 

Pobre povo que votas

Que com teu voto talhas

As pessoas que lá botas

Todos eles bons canalhas

 

Já não há quem te defenda

Só pisam teu chão sagrado

Mas tu não tens emenda

Gostas de ser maltratado

 

À mesa redonda sentado

Assistes pela televisão

Ao espectáculo criado

 

Com a cruz da tua mão

E insistes no resultado

A cada nova votação.

publicado por poetazarolho às 23:12 | link do post