Selvagem

 

Presidente da selvagem

É também de Portugal

Não entendo a voragem

E só por isso dizer mal

 

É falta de objectividade

Sem o facto consumado

Antes houvesse capacidade

Pr’a chegar a um resultado

 

Cagarro, lindo cagarro

Dormiste com o presidente

Anda cá que já te agarro

 

Conta os segredos à gente

Assim ganhas um chicharro

E deixas o povo contente.

publicado por poetazarolho às 16:48 | link do post | comentar