Matutar

 

Em que estou a pensar

Se é que penso deveras

Eu só estou a matutar

Neste circo de feras

 

Em que se está a tornar

A vida do povo oprimido

E que para tal olvidar

Devo tomar o comprimido

 

Já não é comparticipado

E o futuro também não

Mas regressar ao passado

 

Tem viagens por tostão

Se és pouco viajado

Aproveita a ocasião.

publicado por poetazarolho às 20:56 | link do post