Incompreensão

 

Passos incompreendido

Pela mensagem de natal

Chegou a ser ofendido

Quereriam fazer-lhe mal?

 

Pois s’ele foi legitimado

Pelo nosso voto afinal

Não o queremos maltratado

Se é primeiro de Portugal!

 

Talvez fique na história

Do final da democracia

E que final tão sinistro

 

Não por qualquer vitória

Mas por ter sido um dia

O último primeiro ministro.

publicado por poetazarolho às 23:44 | link do post | comentar