Na crista da bala

Na crista da bala.jpg

É nas teias do acaso

E por medida forjado

Ainda dentro do prazo

Que surge o atentado

 

A morte vale milhões

Para o negócio urdido

Assim sobem cotações

A bala dá-lhes sentido

 

Num sentido convergente

Todos clamam vingança

Sem que saibam o segredo

 

Na vulnerabilidade vigente

Vendem-nos a segurança

Após espalharem o medo.

publicado por poetazarolho às 20:15 | link do post | comentar