Geometrias

Geometrias.jpg

Traça a geometria do amor

Nunca a régua e esquadro

Para alcançar seu esplendor

Tens que sair do quadrado

 

Não raras vezes existe dor

Chega a distorcer o quadro

No limite cria-se o horror

Explodem bombas no adro

 

Cabe tudo na mente humana

Não há limite p’rá viciação

Desta sociedade que profana

 

Qualquer singular razão

Assim de todos nós emana

Um rastilho p´rá explosão.

publicado por poetazarolho às 06:53 | link do post | comentar